quinta-feira, 19 de março de 2009

Geração Coca Cola

Visitando alguns sites, de estudos bíblicos, encontrei este artigo, e achei muito interessante, deixo claro que não estou fazendo propaganda anti-coca cola nem estou falando pra você parar de tomar coca ou qualquer outro refrigerante, mas vale apena refletirmos um pouco, para avaliarmos onde estão nossos valores, e não somente valores financeiros, mas também valores morais e familiares, a palavra de Deus, nos fala que, onde estiver nosso tesouro, ali também estará nosso coração, então fiquem com esse ótimo artigo, Deus abençoe poderosamente sua vida.

Há alguns anos, enquanto visitava alguns irmãos na cidade de Monte Verde/MG, eu li, numa parede, uma frase que me impressionou: “Os crentes gastam mais com Coca-Cola do que com aquilo em que dizem acreditar: Missões”. Essas palavras mexeram comigo. Como eu posso investir mais na Coca-Cola do que na pregação do Evangelho? Como eu posso dizer que amo Jesus se eu não amo aqueles a quem Jesus ama? E se eu digo que amo aqueles a quem Jesus ama, por que eu não demonstro isso? Por que eu não prego o evangelho? Por que eu não invisto em Missões? O Senhor Jesus afirmou que o único que O ama é aquele que tem os Seus mandamentos e os obedece (João 14.21). O amor está necessariamente relacionado à obediência. O amor não são sentimentos e nem arroubos suspirantes. O amor não é melação e nem palavras adocicadas. O amor é revelado nas atitudes. E a atitude que revela o amor é a obediência. Se eu amo o Senhor Jesus, como eu digo que amo, então, eu o obedeço.

Chega de palavras vazias! Chega de sentimentalismos histéricos! Chega de performances inúteis! Chega de reuniões de mero entretenimento! Deus está cansado de todas essas coisas (Isaías 1.14). Deus espera justiça. Ele aguarda pela obediência mais do que por palavras bonitas. De que adianta alguém dizer que ama a Jesus se não obedece aos seus mandamentos? Quais foram as últimas palavras deixadas pelo Senhor Jesus? “Foi me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações...” (Mateus 28.18-19). E em outro lugar: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas” (Marcos 16.15). E, no livro de Atos: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda Judéia e Samaria, e até os confins da terra” (Atos 1.8).

Se esse é o mandamento de Jesus, por que ainda o evangelho não foi pregado em todo o mundo? Por que não foram feitos discípulos de todas as nações? Por que as testemunhas não foram até os confins da terra? Por que a igreja tem sido desobediente? Por que os olhos dos crentes não conseguem enxergar mais longe? Por que o coração não se dispõe a obedecer? Por que cada cristão não se dispõe a contribuir para que a ordem de Jesus seja obedecida? Onde está o amor da igreja? É muito fácil apontar o dedo para a igreja, acusá-la e julgá-la. É muito fácil dizer: “Eles não estão fazendo!”. Mas quando eu faço isso, certamente, estou esquecido de que eu sou a igreja. Não é o outro que não está fazendo. Sou eu que não estou fazendo. Sou eu que não estou obedecendo. Sou eu que tenho investido mais em Coca-Cola do que naquilo em que eu digo acreditar. Se eu digo que acredito em Jesus, por que não invisto em Sua causa? Por que não obedeço as Suas Palavras? Por que eu dou os meus recursos para a Coca-Cola, e, não, para o Reino de Deus?

Um compositor secular respondeu a essa pergunta com uma expressão: Vivemos na “Geração Coca-Cola”, ou, em outras palavras, na geração do consumo. Vivemos em meio a uma geração consumista, egoísta, narcisista que está preocupada somente com os próprios interesses e anseios individuais. Vivemos em meio a uma geração cuja maior preocupação é com o bem estar pessoal. 

É a geração do entretenimento!!! Enquanto os cidadãos mergulham e se entorpecem no entretenimento, eles se esquecem dos outros que padecem do outro lado da rua, do outro lado da cidade, do outro lado do país e do outro lado do globo. Enquanto o indivíduo se embriaga com a sua Coca-Cola e se empanturra com o saco de pipoca, ele ignora que um outro morre de fome e sem Deus no mundo.

A sociedade está tão enfeitiçada pela mentalidade Coca-Cola que até mesmo dentro da igreja se levantam os defensores desse tipo de geração consumista. Surgem aqueles profetas da prosperidade que, egoisticamente, só pensam em prosperar para si mesmos, levantando maiores riquezas e maiores celeiros. “Loucos!!!” foi a sentença de Jesus para essas pessoas que entesouram para si mesmas e não são ricas para Deus (Lucas 12.21).

A loucura, segundo Jesus, está em investir naquilo que não tem retorno eterno. Tais investimentos, é verdade, podem produzir um pouco de entretenimento, algumas gargalhadas, uma sensação de satisfação pessoal e uma alegria jubilosa. Contudo, todo o prazer desse investimento é passageiro. Ele acaba quando acaba o refrigerante da nossa latinha de Coca-Cola.

Por: Pastor Gustavo Borja Bessa / comentário: Marcos Lima

4 comentários:

preberjamil disse...

Que artigo bom! Excelente!

Ana Paula disse...

Acho interessante ler um artigo desse, depois de ter ido a um congresso de juventude onde pude presenciar essa grande verdade e que costumo chamar de OBA OBA. Infelizmente o que presenciei foi um show, onde os adolescentes e jovens pulavam e se jogavam uns em cima dos outros, onde houve até 'trezinho' de dança e tudo mais, coisas que NÃO ENTRAM NA MINHA MENTE!
E na hora da mensagem, que foi excelente, apenas poucos deles prestaram atenção e realmente absorveram o que ouviram.
Depois? Mais oba oba!!!!
Ah! Isso me entristece... Pois a tentação vem! E como vem!!!!
E eles não têm condições de, às vezes, dizer não e caem...
CHORO em ver isso tudo!
Choro mesmo!
Mas é um choro em forma de oração... pois sei que Deus está vendo isso tudo!
Deus lhe abençoe!!!!!!!!!!!
Ana

Silvana disse...

ARTIGO EXCELENTE. POSSO COPIAR?

Anjo de Justiça disse...

Pode copiar sim Silvana, Deus a abençoe poderosamente.