domingo, 15 de março de 2009

Princípios para Oração


Jesus é o exemplo por excelência de uma vida de oração. Ele estabeleceu o modelo de como todo cristão deve ser. Para muitos, ter uma vida de oração é um desafio amedrontador porque essas pessoas foram ensinadas erradamente a enxergar a oração como algo que somente alguns poucos podem cultivar. Acabam relacionando a oração a misticismo ou algo destinado a uma classe de pessoas especiais. Os fariseus, grupo religioso mais popular nos dias de Jesus, imprimiram na mente do povo uma espécie de padrão falso de oração. Com um ar de espiritualidade e ritualismos, acabaram distanciando o povo da intimidade com Deus. Mas Jesus, o ser que mais orou nessa terra nos ensina que qualquer um de nós pode alcançar uma vida de oração frutífera, conforme veremos:
 
Queremos estabelecer alguns princípios gerais que devem estar presentes em nossa vida de oração. Como devemos orar:
 
1º. ORE COM SINCERIDADE
 
“E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6:5).  
 
A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. Significa representar um papel, aparentar sermos quem não somos na realidade. A palavra “sincero” foi inventada pelos romanos. Eles fabricavam certos vasos de uma cera especial. Essa cera era, às vezes, tão pura e perfeita que os vasos se tornavam transparentes, deixando revelar o conteúdo interior. Quando Jesus nos fala dos princípios da oração, Ele salienta a fundamental importância que tem a sinceridade para que sejamos agradáveis ao Pai. A oração verdadeira é aquela sincera, sem disfarces ou dissimulações. Deus conhece o nosso coração e se agrada da sinceridade dele: “Todo caminho do homem é reto aos seus próprios olhos, mas o SENHOR sonda os corações” (Provérbios 21:2); “Eis que te comprazes na verdade no íntimo e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria” (Salmos 51:6). Não há máscaras que possam esconder a nossa nudez diante de Deus, portanto o melhor que fazemos é lançá-las para longe de nós e apresentar-nos diante dEle para pedir misericórdia (Lucas 18.10-14). Para Deus é mais agradável um pecador sincero do que um religioso arrogante! Ao lermos o livro de Salmos, estranhamos a forma como Davi algumas vezes se dirigia a Deus, como por exemplo no Salmo 44.23. Mas ali vemos o coração de um homem sincero. Davi não tinha dificuldades de reconhecer suas falhas (Salmo 51) e nem de expor as crises de seu coração. Que sejamos como esse vaso “sincero”, transparente diante do Pai, sabendo que não seremos rejeitados se recusarmos o caminho da hipocrisia e da auto-justificação.
 
2º. ORE COM INTIMIDADE
 
“Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mateus 6:6).
 
Ao referir-se à oração, Jesus mostra o "quarto", dando-nos um quadro de intimidade. Devemos ver na oração a oportunidade de nos aproximarmos do Pai e desenvolvermos um relacionamento íntimo com Ele. Há coisas que Deus só fará no secreto. A figura da “praça”, ambiente em que os fariseus gostavam de orar com o fim de parecerem justos aos homens, mostra um tipo de relacionamento superficial, mas o “quarto” é um ambiente secreto e íntimo. Ali Deus, o nosso Pai, deseja encontrar-se conosco para, “face a face”, ministrar aos nossos corações de maneira profunda. Podemos abrir o nosso coração sem preocupa-nos com quem está nos ouvindo e declarar-nos a Ele com liberdade e intimidade. Ali, em quietude e paz, podemos ouvir a doce voz do Espírito Santo sussurrar em nossos corações e podemos sentir um Pai amoroso que interage conosco de forma pessoal. Não podemos esperar pelos cultos públicos, ocasiões em que muitos só podem estar presentes poucas vezes na semana, mas devemos buscar ao Senhor diariamente em nosso secreto e experimentar um nível de relacionamento que só podemos desenvolver quando nos trancamos com o Pai. Jesus disse “fecha a porta”. Isso nos fala do quão especial esse momento deve ser para nós. Devemos “fechar a porta” para a correia do dia-a-dia, para os afazeres que nem sempre são tão urgentes, “fechar a porta” para a ansiedade e para a pressa, desfrutando desses momentos sagrados com o Pai celestial. Na Bíblia podemos perceber que quando “fechamos a porta” um milagre espera por nós no lugar secreto (2Reis 4.4-6). É quando nos trancamos com Deus, na intimidade do lugar secreto, de “portas fechadas” que Ele nos “recompensará”!
 
3º. ORE COM SIMPLICIDADE
 
“E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos” (Mateus 6:7)
 
Não é por causa do nosso vocabulário arrojado que vamos agradar o Senhor, mas por um coração sincero. Muitos pensam que pelo muito falar serão ouvidos por Deus, mas isso só demonstra falta de entendimento e de relacionamento com Deus. A prática da repetição de orações remonta ao paganismo. Os pagãos presumiam “que pelo muito falar” seriam ouvidos. Vemos essa mentalidade ainda presente no uso de terços e mantras em algumas religiões. Contudo Jesus nos ensina que para alcançarmos o coração do Pai, só precisamos de simplicidade. Deus não se interessa com o nível do vocabulário tanto quanto se interessa com a motivação do nosso coração. Podemos ser profundos sendo simples. O maior exemplo disso foi o Senhor Jesus que viveu e demonstrou por meio do seu modo de se relacionar com o Pai que podemos também relacionar-nos com Ele como filhos amados. Um filho não tem cerimônias porque sabe que é aceito simplesmente pelo fato de ser filho. Os pais sabem que seus filhos pequenos não precisam nem mesmo saber falar para quebrantar seus corações! Um simples olhar, ou até mesmo algumas palavras mal balbuciadas já são suficientes para mexer com eles! 
 
4º. ORE COM CONFIANÇA
 
“Não vos assemelheis, pois, a eles; porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais” (Mateus 6:8).
 
O grande problema da falta de intimidade, da falta de sinceridade e da falta de simplicidade reside na falta de confiança. Quando não confiamos o suficiente em Deus, acabamos buscando artifícios para tentar chegar ao Seu coração. Confiar em Deus é algo que só alcançaremos quando caminhamos com Ele e provamos do Seu amor infalível. Quando estamos seguros desse amor paternal, absolutamente nada é capaz de abalar a nossa confiança nEle. Confiar em Deus nunca será perda de tempo! A essa qualidade de confiança denominamos "fé". A Bíblia fala da fé na oração das seguintes maneiras: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11:6); “Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento” (Tiago 1:6);“Porque em verdade vos afirmo que, se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele” (Marcos 11:23). A fé honra Deus e Deus honra a fé! Na Bíblia vemos Abraão como um dos maiores exemplos de fé, porque creu quando as evidências externas contradiziam a promessa (medite em Romanos 4.17-22).
 
CONCLUSÃO
 
A oração é a experiência mais fascinante que podemos ter. Ela nos foi dada por Deus como um presente para desfrutarmos de comunhão com Ele e termos as nossas necessidades supridas. Não há vitória sem oração. Não há crescimento espiritual sem uma vida consistente de oração. Por meio dela, podemos nos mover em direção às realidades do Reino e experimentar um viver transformado

Por: Marcos Arrais

2 comentários:

»-(¯`v´¯)-» Vanderléia Silva »-(¯`v´¯)-» disse...

Parabéns pelo texto, realmente a oração é o nosso vinculo com Deus, é o nosso meio de comunicação com Ele!

Muller disse...

Simplesmente verdade!
Parabens pelo texto, a oração é sem duvida necessaria em nossas vidas, é a oportunidade que temos para falar com Deus.
Que Deus continue lhe abençoando!!!
Paz